Jakk

Jakk hs

Jakk, deus dos mendigos

  • Estatuto: semi-deus
  • Símbolo divino: uma mão vazia
  • Plano de orígem: Plano Material
  • Alinhamento: ?
  • Portfolio: pobreza, doença, miséria, feridas incapacitantes
  • Adoradores: mendigos, pobres, aleijadinhos
  • Domains: ?
  • Arma favorecida: ?

Jakk é provavelmente o elemento mais recente do panteão. Um mendigo cujo exemplo de vida e de morte foi considerado pelos deuses como sendo o paradigma de uma vida de miséria e, nessa condição, a sua alma ascendeu como a de o Deus dos Mendigos.

Pouco se sabe em relação ao passado em vida deste Deus. É presumido que Jakk tenha nascido no Reino da Estrela. Quando questionado sobre a razão de pedir esmola, ele afirmava ter lutado nas guerras de colonização do Condado, onde ficou gravemente ferido e incapacitado para trabalhar. Sem meios próprios de subsistência, viveu da bondade de outros até a memória dessas batalhas ter sido perdida com as gerações mais velhas. Os seus últimos dias de vida foram vividos com fome e gravemente doente com tuberculose.

No seu último dia de vida, Jakk procurava abrigo em Cruzilhada para passar a noite e restos de comida para forrar o estômago, quando foi expulso por um guarda da cidade a pedido do dono da estalagem. O guarda já o havia ferido com pontapés e um toque de espada – sedento por mais sangue, o guarda preparava-se para desferir outro golpe quando, ao reparar num grupo de aventureiros, decidiu suplicar-lhes por ajuda. Os aventureiros pouparam Jakk de um desfecho sangrento às mãos do guarda mas, apercebendo-se que o mendigo se encontrava doente, recusaram-se a pagar-lhe a estadia na estalagem.

Jakk perdeu a sua vida nessa noite e, apesar de não se saber até que ponto as acções desse grupo de aventureiros influenciaram esse desfecho, a alma imortal de Jakk jurou vingança sobre todos aqueles que lhe fizeram mal em vida e a protecção de todos os mendigos em situações semelhantes, para que esta triste história nunca mais se repita.

Jakk
(Jakk em vida)

Os planos de Jakk enquanto divindade são obscuros. Relatos de pregadores a Jakk em Artebas têm sugerido que este deus tem espalhado a sua fé, pelo menos localmente. Quanto ao seu desejo de vingança, ele deixou clara a sua intenção de obter retribuição pelos pecados cometidos contra ele quando, em Passagem do Grifo, lhes converteu parte da sua riqueza em ratos. As suas ameaças deixam transparecer que Jakk voltará em breve para infringir mais castigos quando os aventureiros “menos o esperarem”.

A manifestação divina de Jakk é fisicamente semelhante à que tinha em vida, mantendo o seu aspecto sujo, faminto e miserável, a sua corcunda proeminente e o cheiro nauseabundo, atributos que são pouco dignos de uma entidade do seu estatuto. Em adição, traz agora um manto escuro por cima das suas costas que esconde o corpo que em tempos usava vestes andrajosas e os pés descalços, calosos e insensíveis ao que pisam.

Jakk

As Cronicas do Condado das Nuvens shaarlander